Loading…

ANA CRUZ PSICANALISTA

“Tudo flui quando sentimos bem-estar mental. Aprenda que tudo é possível.” Fritz Perls – psicanalista
seja bem-vindo

Você conhece a Hipnose Clínica?

Se você acredita que a hipnose se resume a um passo de mágica onde uma pessoa com extra poderes o fará comer uma cebola crua pensando que é uma linda maçã, então não leia!Antes de mais nada é bom explicar o que é hipnose: é um estado alterado de consciência, natural ou induzido, com um objetivo específico. Como eu fiz terapia com hipnose posso garantir que não comi cebola e nem alho acreditando ser um super churrasco saboroso. Mas vamos falar sobre a hipnose clínica:

hypnosis

“O tratamento com Hipnose Clínica possibilita o contato com o inconsciente; ou seja, com as emoções que não passam pelos julgamentos, críticas e avaliações da mente consciente. A partir da comunicação com o inconsciente, o paciente reconhece seus reais sentimentos (desejos, medos, angústias, dúvidas, paixões) e, desta forma, consegue reordená-los; reorganizá-los de uma maneira que proporcionem bem-estar e equilíbrio pessoal.

O Tratamento com a Hipnose Clínica

Como em qualquer outro tratamento de doenças psicossomáticas, na primeira consulta o médico avalia o problema do paciente. O diferencial é que, já no encontro inicial, é feito um teste de indução hipnótica para que os caminhos da terapia sejam definidos. No decorrer das consultas, o médico utiliza a Hipnose Clínica para a indução a um estado alterado da consciência. O método leva no máximo de 3 a 4 minutos e o paciente permanece  consciente. A grande vantagem da técnica é que o contato com o inconsciente é facilitado, proporcionando um tratamento mais assertivo e com resultados práticos efetivos.

O Método Oferece Algum Risco?

A Hipnose Clínica é uma ferramenta de tratamento que não causa nenhuma espécie de dano e não pode, em hipótese nenhuma, obrigar ninguém a cometer atos contrários aos seus princípios, devido aos níveis de tolerância que cada indivíduo possui. É válido salientar que ninguém pode ser hipnotizado se não quiser; se não permitir.”

Via doutor Paulo Evangelista – especialista em hipnose em medicina.

Grande abraço,

Ana Cruz – psicanalista

Deixe o seu comentário