Loading…

ANA CRUZ PSICANALISTA

“Tudo flui quando sentimos bem-estar mental. Aprenda que tudo é possível.” Fritz Perls – psicanalista
seja bem-vindo

Top 15 dicas bem interessantes sobre a vida

Esse post é diferente. De todas as dicas que publico nas redes sociais, resolvi reunir 15 delas super úteis que ajudam a compreender melhor o comportamento deste bicho tão complexo chamado ser humano. Que tal relembrar? Vem comigo!

keep-calm-and-curta-o-top-15

  1. O sentimento de culpa desproporcional e inconsciente leva o sujeito a sabotar sua própria felicidade.
  2. Lembre-se: tudo que está se repetindo na sua vida significa algo que você precisa aprender e não está aprendendo.
  3. Onde impera o orgulho, prevalecem as perdas.
  4. 4. Relacionamentos: o diálogo apenas existe quando as partes envolvidas realmente estão dispostas a ouvir, debater, se expor, respeitar e buscar um consenso. Onde impera a imposição, o que existe é monólogo.
  5. Ninguém é totalmente bom nem mau. Na verdade somos a integração mais ou menos harmoniosa de luz e sombra. É preciso, portanto que aceitemos quem somos sem nos martirizarmos por ainda possuirmos aspectos ruins e por de vez em quando cometermos erros. É somente com tempo e humildade que poderemos eliminar as paixões, os vícios, os maus hábitos e pensamentos.
  6. Finalizações são necessárias para que recomeços aconteçam.
  7. O hoje pode mudar o amanhã, mas não o ontem. Portanto, olhe para frente, e não para trás. Aprenda a encarar cada problema da sua vida como uma lição de aprendizado. Entre o saber e o fazer, há apenas uma coisa: decisão. Mude!
  8. Certas vezes, por trás do indivíduo arrogante e prepotente, se esconde um grande sentimento de insegurança entrelaçado com a carência afetiva e regado a rejeições emocionais plantadas lá na infância.
  9. Na infância, muitas crianças utilizam a birra com a função de intimidar e constranger os pais na tentativa de terem seus desejos realizados. E quando os pais atendem aos desejos no momento da birra, ensinam a elas que toda vez que quiserem algo, basta dar o seu ‘show’. Esta criança cresce e na sua fase adulta continuará fazendo birra e dando os seus ‘shows’ para também ter os seus desejos atendidos, afinal, foi assim que ela aprendeu: chilique = eu consigo o que eu quero.
  10. Depressão = passado. Ansiedade = futuro. Equilíbrio = presente. Onde você está?
  11. A pessoa excessivamente carente se apega facilmente em seus objetos de afeto, como amigos e companheiros. No entanto, ao menos sinal de discordância como, por exemplo, de opinião, o seu emocional pode interpretar como um ato de rejeição. Geralmente, estas pessoas apresentam em seu histórico buracos emocionais trazidos da infância ainda mal resolvidos na fase adulta.
  12. O sujeito que é muito teórico se perde nas práticas da vida.
  13. 13. Gravidez, TPM e bebedeira não têm o “poder mágico” de criar algo que não existe. O tal do “eu só fiz porque” estava bêbado, de TPM ou grávida, é apenas uma desculpa para não se admitir que há problemas existentes/abertos, bem como diante de um erro que cometeu. Basicamente gravidez, TPM e bebedeira colocam o sujeito em condição de vulnerabilidade e sensibilidade, cenário ideal para que se venha à tona (e sem autocontrole) algo que, talvez, a própria pessoa tente esconder/guardar até dela mesma. Pense nisso. E pare de usar desculpas.
  14. Geralmente, parecemos mais fortes e intimidadores quando estamos com RAIVA. Só que, na verdade, esse sentimento, quando negativo, pode esconder várias outras questões: a raiva pode esconder o medo; a raiva de alguém pode esconder uma culpa; a raiva pode esconder uma dificuldade em dizer não e impor limites; a raiva pode esconder uma necessidade de manipular o outro; raiva de alguém, que não nos perdoou, esconde que ainda não nos perdoamos; a raiva pode esconder a necessidade de reconhecimento; a raiva pode esconder um sentimento de rejeição; a raiva pode esconder o sentimento de impotência ou uma não aceitação; a raiva dos outros pode esconder a raiva que você sente de você mesmo, mas… O fato é que por trás de toda raiva, há sempre alguma fragilidade. Qual é a sua?
  15.  É o seu comportamento que diz sobre a sua personalidade, e não o seu discurso.

Grande abraço,

Ana Cruz – psicanalista

Deixe o seu comentário