Loading…

PSICOTERAPEUTA ANA CRUZ

“O conhecimento de qualquer tipo causa uma mudança na consciência de onde é possível criar novas realidades." Deepak Chopra
seja bem-vindo

O pecado da complicação

Uma das maiores verdades sobre a vida é que o ser humano é mestre na arte de complicar o simples.

Ouço as mais diversas histórias sobre a vida e observo muito mais do que se pensa ao meu redor. Vejo o quanto as pessoas desperdiçam oportunidades que batem na porta assim, de barbada, por usar um fator muito simples: complicar. Sim, o ser humano é mestre na arte de complicar o simples. De plantar cabelo em ovo, como se diz popularmente. Um dos maiores agentes deste mecanismo chama-se medo.

pics-022

Ah, o velho e bom medo… de arriscar, de errar, de perder, de ser feliz e/ou infeliz, de ter sucesso e/ou fracasso, de ousar, de falar, de agir; a lista é gigante, porém, em essência, tudo se volta para o medo – sensação psicoemocional de pavor diante de algo (real ou imaginário) que é reconhecido pelo inconsciente como perigoso, incerto, ameaçador e que pode colocar a si mesmo em risco. Não há nada de errado e feio em sentir medo. Pelo contrário, se não fosse ele estaríamos desprotegidos em situações de risco. A questão complicadora é que o ser humano consegue usar o fator medo de tal modo ao ponto de causar prejuízos, como, por exemplo, sofrimento e angústia, para si mesmo sem necessidade.

Recapitulando: coragem não é ausência de medo, e sim a capacidade de abraçá-lo e levá-lo consigo. O famoso “e se der medo, vai com medo mesmo, fo%&$#*”.

Pense bem, é pra tanto?! Sinceramente, não. Outro grande contribuinte nessa arte da complicação está na falta de discernimento entre problemas e dificuldades. Problema é tudo aquilo de ordem bem mais profunda e desnorteadora, beirando a cegueira para o encontro de uma solução. Já dificuldade é tudo aquilo de ordem mais branda e superficial. Problema = peso. Dificuldade = nem tanto assim. Mais uma vez, a questão complicadora é que o ser humano consegue usar o fator dificuldade no mesmo patamar de problema. Resultado: complica o simples.

Às vezes na vida o seu desejo de fazer algo só precisa que você dê um peitaço e tire o medo do seu caminho e pare de transformar absolutamente tudo em problemas. Vida é isso, se não arriscar, não sai do lugar. A não ser que você pretenda continuar sendo um mero expectador da sua própria vida, confortavelmente acomodado no discurso repetitivo de azedume e amargura.

Por amor a sua própria vida e pelo bem-estar do seu emocional: complique menos, faça mais.

Grande abraço,

Ana Cruz – psicanalista[:]

4 thoughts on “O pecado da complicação

  1. Ana, adorei o peitaço. O medo já me paquerou e quase ficamos noivos! rsrsrs. Passei 20 anos longe da faculdade, reinicie em 2011 (meu Deus são 4 anos) será que eu consigo? estou fora de forma rsrsrs, lá vou eu mais uma vez. Imagina o que aconteceu: nos dias de prova eu dormia mais que o normal e tinha cólicas, tem noção? nem eu acreditava naquilo. Pode? rsrsr Bom, com direito a isso não me pertence ou VAI OU RACHA! Superei. Em dezembro estou concluindo o meu curso. Ufa! Deu certo.

Deixe o seu comentário