Loading…

ANA CRUZ PSICANALISTA

“Tudo flui quando sentimos bem-estar mental. Aprenda que tudo é possível.” Fritz Perls – psicanalista
seja bem-vindo

Tipos de Luto: sim, existe mais de um

A contextualização didática dos diversos tipos de luto pelas mãos de uma grande psicóloga especialista no assunto: Nazaré Jacobucci.
Nazaré Jacobucci é psicóloga especialista em luto, psicologia hospitalar, professora, escritora, atualmente reside na Inglaterra e é membro do Psychological Society. Assim como eu, adora escrever e possui um blog ao qual eu acompanho e recomendo – Perdas e Luto: Educação para a Morte, as Perdas e o Luto.
A seguir, os principais trechos de um grande texto de sua autoria onde fala de modo simples e claro sobre os diversos tipos de luto, e ao final o link do mesmo para o artigo completo. É importante se compreender sobre esta questão, pois o luto não se volta apenas para a morte de alguém, ele engloba, por exemplo, o fim de relacionamentos amorosos, perda do emprego, entre outros. Boa leitura!

rosa-negra
O Luto é um processo que se inicia após o rompimento de um vínculo e estende-se até o período de sua elaboração – quando o indivíduo enlutado volta-se, novamente, ao mundo externo. O luto é um processo essencial para que nós possamos nos reconstruir, nos reorganizar, diante do rompimento de um vínculo. É um desafio emocional, psíquico e cognitivo com o qual todos nós temos que lidar. Inclui transformação e ressignificação da relação com o que foi perdido. Contudo, você sabia que há uma classificação e tipos diferentes de luto?
Luto Natural: Num processo natural, as reações à perda de algo significativo, muitas vezes, incluem impedimento e/ou desinteresse temporário na realização das atividades diárias do cotidiano, isolamento social, pensamentos intrusivos e sentimentos de saudade e tristeza, que variam e evoluem ao longo do tempo. Em alguns casos pode culminar num estado de depressão. O traço mais característico no processo de luto são episódios agudos de dor, com muita ansiedade e dor psíquica. Apesar do luto ser um processo universal, cada indivíduo possui uma forma particular de reagir.
Luto Complicado: existem situações em que o processo de luto não segue a evolução normal, ou seja, o indivíduo não consegue se reestruturar, podendo ocorrer fixação numa das etapas e, consequentemente, a não elaboração do luto. Nestas circunstâncias, o luto permanece não resolvido ao longo do tempo, durante vários anos, e, por vezes, para o resto da vida, interferindo no estado emocional da pessoa e impactando significativamente a sua vida. Nestes casos, em que há o prolongamento do luto, o denominamos de Luto Complicado. Este se caracteriza por uma melancolia duradoura, acompanhada em geral de profunda tristeza, problemas de saúde, distúrbios psíquicos e diminuição dos contatos sociais, o que exige processos de readaptação com a ajuda de profissionais habilitados.
Luto Antecipatório: se inicia a partir do diagnóstico de uma doença crônica sem possibilidade terapêutica de cura. Entendido como um processo de construção de significado para a vida. Permite ao paciente absorver a realidade gradualmente em relação às perdas dos aspectos significantes do corpo, da consciência, da personalidade, da autonomia; permite resolver questões pendentes; expressar sentimentos; perdoar e ser perdoado.
Luto Traumático: este processo se inicia quando o confronto com a morte se deu de forma violenta e avassaladora. Acidentes de trânsito e queda de um avião são alguns exemplos. Os eventos traumáticos são permeados de desamparo e horror. Há uma (re) vivência ilusória ou alucinatória da experiência traumática, que se dá por meio de flashbacks.
Luto Coletivo: esse processo é desencadeado por uma catástrofe natural e/ou catástrofe humana sem precedentes, que acarreta sentimento de profunda angústia e que abala a forma como vivemos. Expõe à sociedade sua vulnerabilidade e mostra que o mundo pode ser um lugar imprevisível. Exemplos: Holocausto, tsunami, atentado terrorista (WTC). O luto é vivenciado por todas as nações, etnias e crenças.
Luto não Reconhecido: este tipo de luto se apresenta quando a sociedade ou a comunidade na qual o sujeito está inserido não valida ou ignora a perda sofrida, seja pelo fato de o relacionamento não ser legitimado, seja pela perda não reconhecida, seja pelo enlutado ou pela morte não serem aceitos. Num processo de luto não reconhecido pode não haver condições para expressar o pesar, os sentimentos e até mesmo os conflitos relacionados à perda.
Luto Adiado: é caracterizado pela ausência das reações normais de um processo de luto. No luto adiado a pessoa não se permite sofrer e não expressará o pesar por um longo período após a morte de um ente querido. Algumas pessoas tentam ao máximo adiar a tristeza, até que um dia não conseguem mais. As influências familiares e culturais podem afetar o percurso natural de um enlutado.
Luto Inibido: é caracterizado quando o indivíduo não demonstra sinais exteriores frequentes num processo de luto, como tristeza e raiva. A tristeza é inibida e o indivíduo não permite que a realidade da perda seja vivenciada. Em alguns casos o indivíduo age como se nada tivesse acontecido e retoma suas atividades cotidianas rapidamente lotando suas agendas de compromissos. O indivíduo que inibi a sua dor e angustia pode apresentar queixas psicossomáticas.

Como psicólogos, devemos sempre acolher este enlutado, independente de qual seja o contexto de sua perda. Leia o artigo completo aqui.

Grande abraço,
Ana Cruz – psicanalista

6 thoughts on “Tipos de Luto: sim, existe mais de um

  1. Sempre senti que havia vários tipos de luto…Lendo sua postagem, entendi muito melhor o que sentia. Grata pela profundidade da abordagem do tema:Luto. Poucos dão valor ou atenção ao que sentem em uma perda…seja a morte de um ente querido, separação afetiva….Muitas vezes é duro ouvirmos de familiares, amigos…: “Já passou”, “Não sei porque sofrer com isto…a pessoa não merecia você”, “Agradeça por ter morrido em paz”…e muito mais, negando nossos sentimentos, emoções. Ainda que existem os MÉDICOS DA ALMA!!!
    Luzia Ferreira

  2. Como sei que a mente humana é complicada, presumia variações de luto, mas não nessa quantidade!!! Apesar do tema macabro, achei engraçado até.
    Mas é elucidativo o artigo. Parabéns pelo texto.

Deixe o seu comentário