ArabicEnglishFrenchPortugueseSpanish
Expatriados: o outro lado de se viver no exterior

Expatriados: o outro lado de se viver no exterior

Índice de depressão entre pessoas que moram em outro país é cada vez mais expressivo… e preocupante. Porquê?


Um belo dia, pelos mais diversos motivos, você decide ir morar no exterior. Se planeja, cria sonhos e vai. Adrenalina à mil, tudo será lindo, mágico e transformador. Terá no máximo uma leve saudade da família e dos amigos, e pensa “quem não tem, dá pra controlar”.
Naturalmente o sujeito apresenta o estágio da euforia. Entende-se por euforia um estado emocional passageiro caracterizado por um conjunto de sensações como otimismo, exaltação, alegria, ânimo excessivos que não correspondem exatamente a realidade. Com o passar do tempo esta condição emocional (ilusória) perde força e ao vivenciar diariamente a conjuntura real surge o conflito interno e a falta de adaptação local. Basicamente a luta entre expectativas e como as coisas são de verdade.

tumblr_depressao“As expectativas são o que pensamos que deve acontecer como resultado do que fazemos, dizemos ou planejamos. E a decepção é inevitável quando as coisas não saem como planejamos. Esperamos sem nada fazer quando acreditamos no pensamento mágico, em nossas fantasias e desprezamos os dados de realidade. Você já se perguntou se suas expectativas são coerentes com a realidade? Talvez seja uma pergunta importante para explorar. Muitas vezes a realidade está muito distante de nossas expectativas, mas a ignoramos.” Rosemeire Zago – psicóloga junguiana.
Você não tem escolha e terá que ficar onde está. E toda aquela idealização romantizada existente apenas na sua mente cai por terra. Começa a brotar dentro de si o sentimento de solidão, carência, tristeza, e até uma ponta de decepção, ainda que inconsciente. Toda condição emocional de desprazer gera a sua dose de angústia, geralmente ocasionada enquanto o resultado do conflito entre o real o imaginário, trazendo consigo a frustração.
Frustrações, quando não administradas, se tornam neuroses como, por exemplo, depressão. Nota: um dos fatores principais de grande influência para o desenvolvimento da depressão é o estresse. E já aviso que quanto mais você tentar fugir deste cenário, mais força ele ganhará. Mais de 350 milhões de pessoas ao redor do planeta sofrem atualmente de depressão. Somente no mundo árabe, por exemplo, são quase 20% da população. E países como Inglaterra e Alemanha também estão alertas junto a depressão entre expatriados.
Muitos não procuram ajuda profissional por vergonha pela cobrança que exercem sobre si mesmos, ao julgarem ser uma ‘fraqueza que não pode ser demonstrada’, tantos outros desmerecem por acreditarem que ‘é só uma tristeza que já vai passar’. #sóquenão
Se você irá viver no exterior sugiro preparar-se emocionalmente. Se você já reside em outro país, preste atenção nas suas alterações comportamentais e não fuja de si mesmo, busque ajuda o quanto antes.

Grande abraço,
Ana Cruz – psicanalista

4 Replies to “Expatriados: o outro lado de se viver no exterior”

  1. Boa tarde
    Adorei ler este Artigo e infelizmente é a minha realidade.
    Sempre fui muito feliz e com uma energia contagiante sempre tive imensos amigos e ocupaçoes estilo: cinema, compras ginasio…. mas sempre acompanhada com amigos nunca so
    Agora estou perdidos

  2. Gostei muito desse trecho:

    […] Muitos não procuram ajuda profissional por vergonha pela cobrança que exercem sobre si mesmos, ao julgarem ser uma ‘fraqueza que não pode ser demonstrada’, tantos outros desmerecem por acreditarem que ‘é só uma tristeza que já vai passar’. #sóquenão

    Penso:
    Quando deixamos de lado certas exigências ou medos, tudo funciona melhor. Procurar uma ajuda profissional para cuidar do emocional é como ir ao dentista ou ao médico. É tão importante quanto – faz parte da rotina de se cuidar. Abs,

    1. Oi Raquel! É verdade, concordo contigo. No entanto, muitos processos comportamentais se dão de modo inconsciente, logo, automáticos. E se o ser humano tivesse essa percepção da importância de ajuda profissional para cuidar e manter em dia o seu lado psicoemocional, talvez não existisse 350 milhões de pessoas sofrendo de depressão. Bjs

Deixe o seu comentário