ArabicEnglishFrenchPortugueseSpanish

Tag: criminologia

Manual de sobrevivência para vítimas de psicopatas

Manual de sobrevivência para vítimas de psicopatas

“Este livro é para você. Para você que custa a reconhecer-se no que sente hoje. Para você que se sente esgotado – esgotado em seu físico, em seus sentimentos, em sua mente. Como se tivesse sido sugado e todas as suas forças o tivessem abandonado. E qualquer movimento que você faça, o sentimento é de que esse vazio e esse esgotamento cada vez aumentam mais e mais.


Se você chegou até este livro, talvez venha sentindo necessidade de encontrar respostas. Talvez as esteja procurando há muito tempo. Talvez você não saiba exatamente o que aconteceu, mas há uma indignação avassaladora que cresce dentro de você, ao lado de uma luta interna absurda entre a repulsa e o anseio inaceitável por alguém que lhe provoca sofrimento. É aí (você sabe sem talvez conseguir admitir até o fim) que reside o início de tudo.
Parece haver uma parte sua que se foi. A alegria que costumava sentir está encoberta. Qualquer coisa que lhe aconteça fica sombreada por essa atmosfera densa que pontua todos os seus dias.
Tanto faz se você é um homem ou uma mulher: há dias em que você acorda e não se reconhece ao espelho. Onde está aquele ou aquela que costumava saudar o novo dia com esperança e contentamento? Que tsunami é esse que varreu sua vida? Que dor e desânimo são esses que preenchem seus dias e suas noites?
Seus familiares, seus amigos, seu trabalho: tudo entrou em colapso. Ou se afastaram, ou você mesmo se afastou. A sua autoconfiança desapareceu, tragada por algum lamaçal inconcebível. A sua autoestima seguiu o mesmo caminho. Logo você, para quem as pessoas olhavam com confiança e admiração.
É difícil saber ao certo quem você é hoje. O peso em seu peito, a sensação insuportável de ter sido traído no mais profundo de sua humanidade, nublam a sua capacidade de pensar e de ver a realidade com clareza. Você parece ter sido contaminado por algum veneno, que aos poucos se infiltra em todas as suas células. Como se estivesse intoxicado.
As pessoas cobram-lhe atitudes. Você não as entende e nem consegue assumi-las. Ninguém acredita mais em suas palavras. Nem você mesmo. As suas tentativas de resolver a situação não deram certo. Na realidade, o resultado parece ter sido o oposto. A cada dia que passa, a cada resolução tomada e não cumprida, você se sente mais confuso, mais deprimido, mais sofrido.

Saiba que você não está sozinho.
Muitos passam ou passaram por esse lugar por onde você caminha.
Você não está louco: fizeram-no acreditar que está.
Você não é culpado: fizeram-no acreditar que é.

Se você assentiu com a cabeça ao ler as linhas precedentes, é porque você está convivendo com todos os sintomas de abuso emocional. E é preciso saber que existe uma saída.
A porta para a saída é entender do que se trata e tomar as medidas necessárias. Há um longo, penoso, mas certeiro caminho de recuperação à sua frente. É claro que não será fácil. Mas quando você, ao atravessar o deserto, se restabelecer um pouco no oásis que este manual lhe oferece, perceberá uma nova vida do outro lado, uma vida que você jamais poderia imaginar. Você terá morrido e nascido de novo. E encontrado companheiros de caminhada que sabem do que você fala, entendem o que você sente e lhe estenderão a mão com o olhar amigo de quem passou por esse mesmo lugar e sabe que é possível sair.

Seja bem-vindo a um novo momento da sua vida.
Passo a passo, vamos desanuviar o entendimento. Retirar as camadas densas de nuvens que têm impedido de ver a realidade. Para que você possa saber onde você está e o que deve fazer.
Quem mais nos machuca é quem está mais próximo de nós. Os abusadores, na maioria das vezes, não estão lá fora, mas dentro da própria casa. Os piores são os que estão dentro do nosso relacionamento afetivo, seja familiar, seja amoroso. Piores, porque é difícil acreditar que sejam pessoas que se aproveitam justamente da nossa capacidade de amar, ou da nossa dependência, quando ainda não nos tornamos adultos.
O abusador pode estar sentado com você em sua sala de aula. Pode ser seu chefe, seu médico, seu terapeuta, seu professor, colega de trabalho, advogado, líder religioso. Pode ocupar qualquer posição, desde que, a partir dela, obtenha controle, poder e/ou sexo.
Tudo isso, é claro, de forma velada e disfarçada. Você confiaria em alguém com cara de mau? É claro que não. Por isso, essas pessoas jamais se apresentam com sua verdadeira face. Muito pelo contrário: elas se apresentam com a aparência que mais atração possa exercer sobre você. E você cai na armadilha.
A vida é curta demais para passá-la sofrendo num relacionamento tóxico. Todos nós precisamos ser livres e estar disponíveis para trabalhar por um mundo melhor. Ao reconquistar a tranquilidade, o amor e a produtividade, tudo se torna possível. E, a partir de um certo ponto, tudo depende de você. Um você fortalecido, capaz e corajoso, forte o suficiente para enfrentar a sensação terrível de ter se deparado com a maldade. Para chegar a esse lugar, é preciso tomar e manter algumas decisões. Mas antes, é fundamental saber como você chegou a esse lugar, e que formas esse caminho tomou, à revelia de tudo o que você possa ter sido, pensado, estudado e feito ao longo de toda a sua vida. Por isso, comecemos pelo princípio.”

Texto escrito por Júlia Bárány – psicanalista, autora do livro e integrante da equipe do Superasas para sobreviventes de psicopatas onde o objetivo é divulgar o que é uma vítima de psicopata, e outros abusadores emocionais, atender as vítimas em suas angústias, dúvidas, tormentos, elucidando o que foi que aconteceu na vida delas e mostrando como sair da encrenca, transformar-se em sobrevivente e construir nova vida. Um grupo de profissionais e sobreviventes de psicopatas e abusadores emocionais que se organizam para passar seus conhecimentos e suas vivências para quem deles precisa, na área médica, terapêutica, jurídica e social.

Grande abraço,
Ana Cruz – psicanalista

O nascimento de um psicopata

O nascimento de um psicopata

“Eu não sabia o que fazia as pessoas quererem ser amigas. Eu não sabia o que as fazia querer ser atraentes umas para as outras. Eu não sabia o que eram interações sociais.”
“Eu sou o mais frio filho da puta no qual você já colocou seus malditos olhos. Eu não dou a mínima para aquelas pessoas.”

Essas assustadoras frases de Ted Bundy claramente resumem as principais características de um psicopata: uma pessoa insensível, manipuladora, sem empatia, impulsiva, e incapaz de sentir culpa ou remorso.

Quando falamos em criminosos psicopatas, logo nos vem a cabeça um sujeito completamente louco segurando uma moto-serra na mão. Filmes, séries e até reportagens de TV tendem a mostrar aos espectadores que toda pessoa que comete um crime hediondo é um psicopata. Mas muitas das vezes, o assassino tachado de psicopata pela sociedade cometeu seu crime durante um surto psicótico, e psicose e psicopatia são duas coisas completamente distintas. Psicose e psicopatia são diferentes tipos de transtornos mentais. Psicose é a completa perda do senso de realidade, já a psicopatia é um transtorno de personalidade, assim como o transtorno de personalidade narcisista. Os transtornos de personalidade são permanentes enquanto que as perturbações psicóticas podem ser controladas mediante administração correta de medicamentos neurolépticos.

“Eu não me sinto culpado por nada. Eu sinto pena de quem se sente culpado.” Ted Bundy

Psicopatas são calculistas e manipuladores, mas eles não sofrem de alucinações ou delírios. Eles não ouvem vozes de estranhos em suas cabeças dizendo sobre elaboradas teorias conspiratórias. Muitos assassinos em série tem como principal motivação para seus crimes os delírios, muitos bizarros, decorrentes de uma perturbação psicótica. O serial killer Carl Eugene Watts estrangulou várias mulheres porque ele viu o mal em seus olhos. Belle Sorenson Gunnes matou seus maridos porque ela acreditava que eles eram homens demoníacos. Ed Gein mutilou, esfolou e esviscerou corpos porque ele queria ser uma mulher e acreditava que ele precisava de partes de corpos femininos para ser uma (ou talvez para fazer uma réplica de sua mãe). Richard Trenton Chase bebia e se banhava no sangue de suas vítimas. Ele acreditava que tinha que fazer isso para evitar que os nazistas transformassem seu sangue em pó com um veneno que eles escondiam debaixo de uma saboneteira. Joseph Kallinger embarcou numa missão homicida após receber ordens de uma cabeça flutuante chamada Charlie.

Mais uma vez, psicose e psicopatia são dois transtornos mentais completamente diferentes, e saber diferenciá-los é importante para a não proliferação do falso conhecimento.

O Nascimento de um Psicopata
As causas da psicopatia permanecem um mistério. Nós não temos sequer uma resposta satisfatória para a questão: A psicopatia é um produto da mãe natureza ou da infância?

Uma tentativa de dar uma resposta a essas questões vem com a criminologia biossocial, uma perspectiva interdisciplinar emergente que procura explicar o crime e comportamentos anti-sociais através de múltiplos fatores, dentre eles: os fatores genéticos, neuropsicológicos, ambientais e evolutivos. Nos últimos anos houve, de certa forma, um renascimento dos estudos nessa área; estudos estes mais sofisticados e com capacidade de analisar o poliformismo genético e o funcionamento cerebral de psicopatas. Tais estudos tem como principio entender como os fatores biológicos e genéticos interagem com o ambiente e conduzem a diferentes propensões para o comportamento anti-social. A criminologia biossocial sustenta que os efeitos biológicos e genéticos são reduzidos, ou até mesmo inexistentes, a menos que estejam emparelhados com um ambiente criminogênico (ex.: disfuncionalidades familiares). Os genes, portanto, não seriam de todo deterministas, porém, indicariam a probabilidade do sujeito apresentar comportamentos anti-sociais.

Caminhando para a área da genética, existem três campos de estudos que visam investigar a relação da genética/ambiente na formação de uma mente psicopata: estudos com gêmeos, estudo com adotados e estudos em genética molecular. Tais estudos são ponderados com as influências do ambiente compartilhado (ambiente comum a todos os irmãos de uma família), do ambiente não compartilhado e da hereditariedade. Hoje, a principal conclusão desses estudos é de que a combinação entre predisposição genética + ambiente criminogênico teria como resultado o comportamento anti-social.

O “Estudo de Gêmeos Criados Separadamente de Minnesota” foi um projeto originalmente liderado pelo professor de psicologia Thomas Joseph Bouchard Jr. e mostrou que a psicopatia é 60% hereditária. Esse percentual indica que traços psicopáticos são mais associados ao DNA do que à criação.

Outros recentes estudos genéticos de gêmeos indicam que gêmeos idênticos podem não ser tão geneticamente similares, como até então acreditava-se. Apesar de apenas algumas centenas de mutações ocorrerem durante o desenvolvimento fetal, elas provavelmente se multiplicam ao longo dos anos, levando a enormes diferenças genéticas. Isso deixa aberta a possibilidade de que traços psicopáticos são, em grande parte, determinados geneticamente.

As Raízes da Psicopatia
Publicado em 2008, o estudo Criminals in the Making, dos criminólogos John Wright, Stephen Tibbetts e Leah Daigle, indicou que tanto a estrutura cerebral como o seu funcionamento estariam envolvidas na etiologia da violência, agressão, crime, e até mesmo da psicopatia. Em outras palavras, a estrutura e a forma como o cérebro de algumas pessoas funcionam seriam o segredo para entender o comportamento violento e até mesmo as origens da psicopatia.

Nesse sentido, e tomando outros estudos como referência, duas áreas cerebrais parecem estar consistentemente envolvidas quando pronunciamos o nome psicopata: o sistema límbico (composto pela amígdala, hipocampo e tálamo) e o córtex pré-frontal.

O córtex pré-frontal e o sistema límbico. Foto: guia.heu.nom.br

O sistema límbico é essencial para a regulação de nossas emoções mais complexas e de nossos estados afetivos e motivacionais. Ele estaria relacionado à psicopatia através da criação de certos impulsos, como por exemplo, a raiva e o ciúme, que são facilitadores para a prática de atos violentos.
O córtex pré-frontal, uma região cortical na parte frontal do cérebro, é o responsável pelas funções de ordem superior executivas, como por exemplo, a capacidade de adiar a gratificação e controlar os impulsos. Ele é uma estrutura interligada com o sistema límbico, sendo o córtex pré-frontal o responsável por reprimir os impulsos gerados a partir das estruturas límbicas.
Segundo alguns estudos, um sistema límbico hiperativo mais um córtex pré-frontal hipoativo seria a combinação perfeita para o desenvolvimento da psicopatia.

Esta anormalidade foi identificada em um estudo da Universidade de Wisconsin. Scans cerebrais revelaram que a psicopatia em criminosos estava associada a uma diminuição da conectividade entre a amígdala, uma estrutura subcortical do sistema límbico que processa estímulos nocivos, e o córtex pré-frontal, que interpreta a resposta da amígdala. Quando a conectividade entre essas duas regiões é baixa, o processamento de estímulos nocivos na amígdala não se traduz em nenhuma emoção negativa sentida. E isso se encaixaria muito bem na imagem que temos de psicopatas. Eles não se sentem ansiosos ou envergonhados quando são pegos fazendo algo ruim. Eles não ficam tristes quando outras pessoas sofrem. Apesar de sentir dor física, eles não estão numa posição de se machucarem emocionalmente.
O estudo da Universidade de Wisconsin mostra uma correlação entre psicopatia criminal e anormalidade no cérebro. Como essa anormalidade cerebral, na maioria dos casos de criminosos psicopatas, não é adquirida, há uma boa razão para pensar que ela está fundamentada no DNA do indivíduo.
À mesma conclusão já havia chegado o neurocientista norte-americano Jim Fallon, que nos anos 90 conduziu estudos com psicopatas assassinos.

“Um certo grupo (assassinos) tinha sempre uma lesão no córtex orbitofrontal, acima dos olhos. Outra parte que parecia não funcionar bem era a parte frontal do lobo temporal que abriga a amígdala, o local onde nossas reações se tornam diferentes das dos animais”, disse Fallon no documentário What Make Us Good or Evil, da rede britânica BBC.

Cada vez mais surgem evidências de que o cérebro dos psicopatas apresentam alterações, sobretudo no que remete ao córtex pré-frontal. Algumas pesquisas com ressonância magnética trouxeram resultados incríveis, que mostram que indivíduos com transtornos de personalidade anti-social apresentam redução de 11% (em média) da massa cinzenta pré-frontal, e isso é significativo já que o córtex pré frontal é uma área associada a sentimentos de vergonha, culpa, constrangimento (uma adequação social). Como demonstrado nessas pesquisas, os psicopatas apresentam uma menor quantidade de matéria cinzenta no córtex pré-frontal e por consequência as respostas sociais não podem ser iguais das pessoas com o córtex pré-frontal “normal”. Isso não pode ser levado como uma verdade absoluta, mas de acordo com essa perspectiva um psicopata apresentaria menor resposta autonômica a um estressor social por ter menor quantidade de matéria cinzenta no córtex pré-frontal.

Em assassinos foi verificado que existe uma redução no metabolismo da glicose no córtex pré-frontal, isso indica que essa estrutura cerebral atua como “freio” para os impulsos gerados no sistema límbico.
Há, no entanto, algumas limitações nesses estudos. Eles foram realizados com psicopatas que cometeram crimes de assassinato, e sabemos muito bem que a maioria dos psicopatas não são assassinos. Sabemos que psicopatas são manipuladores, agressivos, impulsivos, e que não sentem empatia por outras pessoas, entretanto, tais características estão longe de conduzí-los ao assassinato. Nesse sentido, e quando pronunciamos a palavra psicopata, temos níveis de atuação criminal extremamente diversificados. Psicopatas podem não matar (diretamente), mas podem desviar dinheiro de hospitais públicos, praticar o crime de burla… E isso faz surgir uma pergunta: Os psicopatas com manifestação mais tênue da perturbação teriam também essa atividade entre a amígdala e o córtex pré-frontal reduzida? Não há resposta. Outra limitação do estudo é que ele não mostra se a redução da interatividade entre a amígdala e o córtex pré-frontal é uma deficiência especificamente ligada à psicopatia. E as condições mentais que têm sido associadas a crimes graves, como a esquizofrenia paranóide e os fetiches sexuais extremos?
Embora os estudos, como o de Wisconsin, lancem alguma luz sobre as origens da psicopatia, ela permanece intrigante.
Indo ao outro extremo, alguns especialistas tem discutido formas de ensinar psicopatas a, digamos, ser mais humanos.

Elsa Ermer e Kent Kiehl, da Universidade do Novo México, em Albuquerque, descobriram que psicopatas têm dificuldades em seguir regras baseadas na sensibilidade moral, apesar de compreendê-las perfeitamente. As emoções reprimidas de psicopatas parecem desempenhar um papel que os impede de seguir regras. Mas essa deficiência, possivelmente, é corrigível. Sabemos que pessoas com transtorno do espectro autista têm dificuldades em captar regras sociais ou fazê-las da maneira correta em determinados contextos sociais. Mas eles podem aprender. Por exemplo, eles podem aprender a fazer contato olho no olho, aprender a realizar contatos de forma indireta, podendo assim aprender a manifestar interesse em outras pessoas. Às vezes, isso requer anos de treinamento com um terapeuta ou profissional da saúde. Eles têm que aprender a fazer o que os outros sabem instintivamente pela interação com membros da família e colegas. Se as pessoas com alto grau de autismo, uma doença hereditária, podem aprender os sinais sociais, então, presumivelmente, alguns psicopatas poderiam aprender a seguir regras morais, passando por um treinamento intensivo. Um tipo de experimentação poderiam ser programas de treinamentos que aumentassem artificialmente o processamento de emoções negativas e, em seguida, ensiná-los a associar essas emoções negativas com más ações, moralmente inaceitáveis. Para isso, alguns especialistas já sugeriram o uso de alucinógenos, como o psilocybin.

Genes do Mal e o Fator Ambiente
Estudos de terceira geração em genética levantam a questão de quais genes poderiam estar envolvidos na predisposição do comportamento anti-social. Algumas respostas começaram a surgir através da genética molecular. Quando realizado o knockout do gene da monoamina-oxidase A (MAO-A) em ratos, esses tornaram-se potencialmente agressivos. O knockout, em termos de genética, significa desativar um gene para observar que tipo de alterações isso pode acarretar e, consequentemente, determinar a nível de genótipo qual a designação daquele gene. Pesquisas da área retratam a ligação do gene MAO-A com a agressividade, e nas experiencias com ratos, quando o gene MAO-A é desativado, ele se torna mais agressivo. Quando voltam a reativar o gene, o ratinho passa a ter novamente um comportamento normal. Isso significa que esse gene tem relação direta com a agressividade, e uma variação dele poderia ocasionar o aumento de agressividade. Um dos estudos que previu essa ligação foi o “Monoamine oxidase gene A (MAOA) prevê comportamento agressivo diante de provocação”. Segundo os autores do estudo, a baixa atividade do gene MAO-A poderia levar a uma pré-disposição para um comportamento agressivo e desproporcional diante de situações onde o indivíduo é provocado.
Entretanto, o desafio maior da terceira geração de estudos genéticos não é apenas identificar quais os genes envolvidos na psicopatia, e sim como esses genes codificam os transtornos cerebrais nos grupos de anti-sociais. Sujeitos com polimorfismo comum no gene MAO-A apresentam 8% de redução no volume da amígdala, no giro do cíngulo anterior (região do sistema límbico) e no córtex pré frontal, estruturas envolvidas nas emoções e que em sujeitos anti-sociais estão comprometidas. A hipótese é a de que anormalidades genéticas também desencadeiam anormalidades a nível cerebral.
É evidente que, muito embora já se consiga hoje relacionar o crime com predisposição genética, os processos psicossociais não podem ser desconsiderados. Fatores ambientais no inicio do desenvolvimento poderiam alterar de forma direta a expressão do gene, e com isso alterar também a estrutura cerebral, resultando assim no comportamento anti-social.

Em suma, o ambiente social pode interagir com os indicadores genéticos e biológicos, mas considera-se também que o comportamento violento e criminal aumenta significativamente quando combinado esses dois fatores, o risco biológico e o risco social.
Nós não podemos excluir que o abuso na infância ou negligência possam ser um fator desencadeador para a psicopatia, mas isso não é um fator que contribui para ser um psicopata. Além disso, apesar de criminosos como Charles Manson terem sido abusados e negligenciados quando crianças, a lista de psicopatas serial killers que tiveram uma infância normal é infinita. Serial killers famosos como Ted Bundy, Jeffrey Damer e Dennis Rader cresceram em famílias normais e com apoio.
A verdade é que ainda estamos longe de uma resposta definitiva sobre as origens da psicopatia, e no pior dos casos, o que leva um psicopata a se tornar um assassino e, indo mais a fundo, a resposta científica para a aberração mental chamada serial killer. Serial killers são casos tão extremos que é natural para nós perguntar se essas pessoas não possuem defeitos cerebrais. Sem uma resposta definitiva, nós podemos apenas supor, assim como fez Harold Schechter, em seu livro Serial Killers – Anatomia do Mal:

“Parece provável que tanto a educação como a natureza podem contribuir para a criação de serial killers”.

Fonte: texto originalmente publicado no blog O Aprendiz Verde. 

Grande abraço,

Ana Cruz – psicanalista